FRANCESCO LUCIANI

Guitarrista Clássico | Compositor | Professor | Formador

PROGRAMA DE CONCERTO - UMA PLAYLIST DOS TEMPOS DE MAGALHÃES

Concertos Portugal - Agosto 2020

Concertos Uma Playlist dos Tempos de Fernão Magalhães por Francesco Luciani - Agosto 2020

Concerto de Guitarra Clássica

Apoios

Apoio Direção regional de Cultura do Norte
Apoio Antena 2
Concertos Uma Playlist dos Tempos de Fernão Magalhães por Francesco Luciani - Agosto 2020

Concerto de Guitarra Clássica

Apoios

Apoio Direção regional de Cultura do Norte
Apoio Antena 2

PROGRAMA DE CONCERTO

Uma Playlist dos Tempos de Magalhães

Anónimo (séc. XV)

Se io m’accorgo ben mio d’un altro amante

Dove son quei fieri occhi?

Pezzo Tedesco

Danza

Gagliarda

Girolamo Frescobaldi (1583-1643)

Aria detta la Frescobalda

Francesco da Milano (1497-1543)

Ricercare L

Ricercare I

Fantasia IV

Ricercare LVII

Anthony Holborne (1545-1602)

Jast’s Galliard

Francis Cutting (1550-1595/6)

Galliard

 

Robert Johnson (1583-1633)

Almain

 

John Dowland (1563-1626)

Lady Laiton’s Almain

Fortune

Mrs. Winter’s Jump

 

Luis Milán (1500-1561)

6 Pavanas

 

Luís de Narváez (1500-1560)

La Canción del Emperador

Diferencias sobre Guárdame las Vacas

NOTAS DE PROGRAMA

Uma Playlist dos Tempos de Magalhães

A Viagem de Circum-Navegação

Podemos considerar a primeira volta ao mundo uma startup do século XVI, cujo promotor foi o navegador Fernão Magalhães. Tudo começou com a ideia de encontrar outro caminho por mar que permitisse fazer uma expedição às Molucas, as ricas ilhas das especiarias. Recusada por D. Manuel I – Portugal já controlava as principais rotas das especiarias a nível global – a empresa foi aceite por Carlos I de Espanha, também conhecido por Carlos V do Sacro Império Romano-Germânico, jovem rei aventureiro e com visão, que viu nessa expedição uma oportunidade para aumentar o seu poder.

Fernão Magalhães, homem de família nobre e lobo do mar, era um navegador experiente e um investigador, sendo igualmente versado em hidrografia e cartografia. Os seus interesses iam além de dinheiro e fortuna. Para o comandante, a expedição que se iniciaria em 1519, era também uma forma de obter mais conhecimento, fama e glória.

A viagem iniciou-se com 5 naus e com a tripulação de 247 homens de 9 nacionalidades diferentes, partindo de Sanlúcar de Barrameda (Sevilha, Espanha). Espanhóis, portugueses, italianos, franceses, gregos, belgas, ingleses, alemães, estavam entre as nacionalidades europeias presentes a bordo. Aventura dura, por mares e terras desconhecidas, foi uma viagem cheia de peripécias e perigos, tendo como um dos principais acontecimentos trágicos a morte do próprio Fernão de Magalhães em Mactan, Cebu, nas Filipinas, em 1521, dois anos após a partida da Europa.

Assim, foi o navegador espanhol Sebastián Elcano, oriundo de uma família de pescadores, quem terminou a viagem em 1522, com grande dificuldade, e utilizando as (proibidas) rotas marítimas portuguesas. Estava completa a circum-navegação do globo, a primeira volta ao mundo, uma expedição de alto risco e cheia de descobertas importantes e inéditas até então, e facilmente comparável na era moderna à primeira viagem do homem à lua (1969).

Ao fim da viagem chegou uma nau, por sinal com o nome auspicioso de Victória, com 18 homens, únicos sobreviventes de uma longa travessia pelo desconhecido, heróis de um feito que marcou para sempre a Humanidade.

Cultura e Música a Bordo

Nas naus as jornadas de trabalho eram muito duras e passavam-se dias infinitos onde no horizonte só se via céu e mar, mas também os dias em que não havia nada para fazer eram duros de passar.

Para passar o tempo, a bordo havia quem escrevia, quem desenhava, quem jogava (embora os jogos de azar fossem proibidos) e quem tocava instrumentos musicais e cantava. Com uma riqueza cultural muito difícil de conseguir em terra, fruto das muitas nacionalidades que ali se misturavam – muitas vezes sem saber sequer falar a língua uns dos outros-, as naus eram veículos priviligiados de intercâmbio cultural.

Nas horas vagas era frequente cada um tirar o seu instrumento musical – a bordo seguiam sobretudo pequenos instrumentos de corda e percussão, e outros que eram fãceis de transportar e ocupavam pouco espaço – dando a conhecer a sua música e cantando no seu idioma (muitas vezes em grupos). As letras das músicas eram escolhidas conforme o humor e o momento: umas eram dramáticas, outras cómicas e ainda outras eram mais “picantes”. As pessoas usavam os seus instrumentos musicais horas e horas para entretenimento, para cantar e para contar histórias. A música era, assim, um veículo para passar a cultura e tradições de cada lugar, bem como a literatura popular e as histórias de cada país presente a bordo.

O Programa do Concerto

Para o tour “Uma Playlist dos Tempos de Magalhães” o programa de concerto inclui peças de compositores de algumas das nacionalidades presentes na viagem de circum-navegação de Fernão Magalhães: italianos, espanhóis e ingleses. São peças escritas para instrumentos de época, como o alaúde e a vihuela, que muito provavelmente estariam presentes a bordo. Escolheram-se também músicas populares que, de acordo com os registos históricos, circulavam pela Europa nos séculos XV e XVI. Por outro lado, estão representadas várias danças populares da época como a Almain, a Galliard (ou Gagliarda) ou as Pavanas, bastante usadas na música instrumental da época, em tempos antes, durante e depois da viagem de Magalhães.

Entre música popular, criada por compositores anónimos e populares, e música que estava na moda das Cortes de Espanha e Portugal, como aquela de Luís Milan, que acabou por dedicar as 6 Pavanas a D. João III de Portugal (em celebração da sua coroação em 1521, em plena viagem da circum-navegação), e de Luís de Narváez que popularizou a canção preferida do Imperador Carlos V (Canción del Emperador).

A bordo das naus da expedição Magalhães-Elcano, seguiam várias camadas sociais, contando-se entre a tripulação, tanto nobres, como populares das camadas mais pobres da população, sendo o programa do concerto ilustrativo também dessa realidade.

Não ter os meios tecnológicos de hoje à disposição, não foi um facto que tivesse impedido a música a bordo, mas se existissem meios de fixação e gravação de música no século XVI, certamente que esta seria uma possivel Playlist dos Tempos de Magalhães.